Avançar para o conteúdo principal

Pergunta 14 - Nos dias de hoje, achas que é mais fácil ou mais difícil ser bailarino de D.O.?

É difícil ser bailarino.

É muito difícil ser bailarino no nosso país.

É muito, muito difícil ser bailarino de D. O.

É muito, muito, muito difícil ser bailarino de Dança Oriental no nosso país... e no mundo.

Antes, hoje e desconfio, no futuro.

Porquê?

Porque a nossa era (e eras passadas, se analisarmos a História da D.O.) não está preparada para o potencial da D.O.

Porque o preconceito continua de era para era, de sociedade para sociedade, de geração para geração. E, atrevo-me a dizer, de bailarino para bailarino, de professor para aluno, de público para bailarino...

Porque muitos (bastantes até) de nós - bailarinos, alunos, amadores, curiosos - trabalhamos com D.O. e não PARA a D.O. Servimo-nos, mas não dignificamos. Perpetuamos, talvez sem dar conta, comportamentos que deturparam completamente a verdade da D.O.

Porque a D.O. mexe com o feminino. O mais íntimo do que é ser Mulher. Conceito que está, ainda, perdido. Fechado. Atrofiado. Deturpado.

Porque um bailarino de D.O. tem um vocabulário técnico para adquirir e trabalhá-lo, mas tem um processo emocional para descomprimir e um mental para desconstruir. Tudo em simultâneo.

Porque ainda tem de lutar por um lugar de respeito não só entre as outras danças como no mundo do espectáculo. 

Porque o público consome sim, mas não aprecia como outras Artes ou outras Danças.

Porque o caminho de um bailarino apresenta-se dourado, mas não é facilitado. 

Porque hoje em dia, há mais ferramentas para conhecer, aprender e mais onde ver. Mas não significa que haja mais qualidade.

Porque hoje em dia, há muitos bailarinos e excelentes professores. Músicas lindas e espectáculos extraordinários. A técnica nunca esteve tão desenvolvida. Mas, a essência da D.O.? Mantêm-se como noutros tempos? Ou está - ou continua - camuflada pelo poder masculinizado que sempre houve no mercado de D.O.?...

Não acredito num caminho fácil, seja no que for. O de ser bailarino de D.O. continua desafiante e só alguns pagam para ver. A grande parte recua pelo caminho ou nem sequer o inicia. Porque sim, é duro, e é mais fácil desistir. 

A minha geração de bailarinas lutou - sozinha - para abrir um caminho. Contávamos somente com o nosso talento e garra. Tínhamos sonhos e uma inexplicável paixão pela Dança Oriental. Hoje, está implantada não só no nosso país como no mundo mas continuo a não vê-la no estatuto que merece. O caminho está escancarado para a nova geração mas, talvez, com valores invertidos e com pouca etiqueta. A estética está sobrevalorizada. As modas ditam regras. Surgiu a competição como um modo de superação. Hoje, pagas para aparecer. Hoje, danças mais na net que no palco. Hoje, a concorrência não é só com a colega do lado mas com o mundo inteiro. 

Saber tirar vantagem de tudo que dispomos hoje em dia é ouro. Mas talvez esse saber venha com a maturidade. Saber escolher. Saber o que nos serve. Saber ir procurar. Saber pensar para depois dançar melhor. Hoje, acho que um bailarino tem de saber triar. Saber dizer Não. Saber partilhar e ensinar. Não basta só ter vontade, tem de respirar dança. Dominar muito mais do que uns movimentos. Tem de dominar tudo que envolve SER bailarino desde a sua constante aprendizagem técnica, à sua promoção, à angariação de público e trabalho. Tem mais meios para se desenvolver. Tem mais apoio. Mais ferramentas. Mais caminhos. Mais mentores e mais companhia. Mas mais fácil?... Isso nunca será.






 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method * 25 ABRIL 2020 * 16h  * ON-LINE * Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO .  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental , indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA , e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio,  A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO:  TÉCNICO E SOCIAL   será o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos. Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo; * 1ª PARTE - TEÓRICA   - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos; 

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem. E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida. Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com.. . na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram. Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar.  Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo.  Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o un