Avançar para o conteúdo principal

A Minha Viagem ao Cairo - 3ª parte - A Condição das Bailarinas

O que dizer das bailarinas/colegas que frequentaram o curso comigo e o que comentar das que fui assistir ao vivo... Todas nós de uma maneira ou outra definimos o que é a Dança Oriental nos dias de hoje, que é bem diferente de á uns anos atrás e será de certeza diferente no futuro.


Bom... Começo com as experiências contadas pelas minhas colegas nas longas horas de jantar, e o que eu descubro, surpreendente mente, é que a condição que tenho como bailarina cá, é igual em qualquer parte do mundo e que tudo depende da nossa atitude enquanto dançamos.


É verdade... sempre tive a ideia que trabalhar no estrangeiro, principalmente Europa é que seria bom, que em Espanha, França, Inglaterra, USA, e até mesmo no Egipto é que tinham verdadeiras condições e apoios para se ser bailarina. Tinham sempre bons locais onde dançar, com bons camarins, público educado que aprecia a dança e o nosso trabalho, não nos confundindo com uma stripper, como estava enganada... à medida que iam falando, revia-me totalmente nas suas experiências e pensava: "afinal não sou a única, todas elas passam o mesmo!"
A mesma luta de tentarem dignificar a dança (não se esqueçam que todas eram profissionais nos seus países com algum senso de auto-crítica senão não se dariam ao trabalho de se deslocarem até ao Cairo e pagar um curso bastante caro afim de aprender cada vez mais), a mesma guerra para que consigam ensinar convenientemente, a mesma desilusão quando o público é deselegante, a mesma força de tentar seguir sonhos, mesmo quando temos de dançar em locais menos próprios (para mim, todas as bailarinas deveriam dançar em espaços minimamente preparados para haver shows de dança, que como todos sabem não acontece com maior parte de nós), equiparmos em casas-de-banho imundas, andar sempre com a mala atrás com todo o equipamento, aturar a ignorância e ainda por cima assistir á imcompetencia de muitas mulheres que ainda usam a dança para se exibirem e seduzirem audiências masculinas sem perceberem um passo de dança.


Mas o grande "wake up" para mim, foi quando tive o privilégio de ir cumprimentar a Randa Kamel no seu camarim, antes do seu show no famoso Nile Maxim. Nem queria acreditar quando entrei... pior que muitos sítios onde já me vesti, fiquei mesmo de boca aberta. Era numa cave, num compartimento tipo arrecadação, com uma mesa e espelho pequenino improvisado, com uma cadeia e pouco mais. Esta foi mesmo uma chapada! Também quando assisti ao show da Dina, percebi onde se estava a trocar, para no final ir cumprimentá-la e o que vejo: trocava-se num escritório também improvisado. De novo outra chapada...

Imaginava: Randa Kamel, Dina, etc... divas da Dança Oriental, essas sim devem ter condições, a todos os níveis... mas não... enfrentam igualmente a mesma guerra que todas nós e pensam que o público é melhor só por serem elas?... irei noutro post contar-vos a luta que elas também travam.


Sinceramente senti um certo alívio e juro que nunca mais me irei queixar quando tiver de fazer omeletes sem ovos, afinal, fazem-nas um pouco por todo o mundo, até as divas...


Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun