Avançar para o conteúdo principal

A Minha viagem ao Cairo - 2ª parte - O Curso


Ir ao Cairo significa para mim, entre outras coisa, ir beber da fonte (ou seja ir fazer aulas) e assistir a shows das minhas bailarinas preferidas.

A meu ver, quando se pratica uma modalidade, neste caso dança, de um país ou de uma cultura diferente da nossa, só se consegue progredir e compreendê-la quando vamos directamente a esse país ver como ela é e como é praticada na realidade.


A senhora Raqia Hassan, antiga bailarina da Reda Troup, percebeu á cerca de uma década atrás, isso mesmo, o quão importante e vantajoso seria criar um festival que reunisse vários bailarinos e professores maioritariamente egípcios, a fim de que centenas de profissionais por todo o mundo fossem directamente ao Egipto aprender a verdadeira Dança Oriental e assim levarem consigo essa aprendizagem e ensinarem/mostrarem aos milhares de alunos e curiosos que existe de por todo o mundo.


A ideia era fantástica e visionária. Já que a Dança era praticada por todo o lado, não só no Cairo, e já que tinha uma aderência por parte do público muito grande e quase imediata, porque não chamar esses bailarinos lá á fonte, ensiná-los, e depois irem pelo mundo fora mostrar a cultura árabe em forma de dança. Os árabes têm um orgulho muito grande da sua dança, e acham que eles melhor que ninguém é que sabem dançá-la, ou melhor senti-la, e não há melhor professor de Dança Oriental que um egípcio. Assim, já que querem dançá-la ao menos aprendam connosco! Era, e é esta a filosofia dos festivais organizados pela Raqia, mas como tudo no mundo árabe uma boa ideia vira um excelente negócio... e se dá certo então á outros xicos espertos a copiar essa mesma ideia e logo ela vira um pretexto para uma "guerra" que o objectivo é ganhar muito dinheiro e derrubar o adversário.

Infelizmente é o que se passa actualmente no Cairo. Quando à uma década atrás só havia um festival pequenino, com pouco apoio por parte de professores e bailarinos, existe agora vários festivais, workshops, cursos onde se pode aprender/aperfeiçoar a dança numa batalha declara, para ver quem consegue o maior número de "profissionais" e curiosos por todo o mundo adiram a tal festival ou curso.


Existe vários grupos que organizam eventos mas a guerra está instalada principalmente entre os dois maiores grupos: a organização da Raqia, que foi a pioneira e o Nile Group que lhe seguiu os passos.


Para quem tenha curiosidade e pretenda ir frequentar algum dos cursos, pessoalmente, e pelo o que oiço de várias pessoas que já frequentaram os festivais dos dois grupos, prefiro o que a Raqia organiza. Por três razoes: primeiro porque tendo sido a pioneira ainda detém os melhores professores, segundo porque vão lá ensinar e dançar nas galas as bailarinas mais conceituadas do momento (muitas temem a madame Raqia) e terceiro porque que já conheço a Raqia, os seus colaboradores e como funcionam, assim consigo o que quero sem ter de me chatear (muito). Este grupo só tem um grande incoveniente: é muiiiiiiiiito caro... quase o dobro do que o Nile group organiza. Estão a perceber a guerra, cada vez mais os festivais da Raquia têm menos pessoas, o que para mim é uma vantagem, quanto menos galinhas num capoeiro melhor e o Nile group vai cada vez mais ganhando terreno com mais alunos, por ser mais barato.


Também para que não sabe, a Raqia organiza três eventos por ano: o curso de folclore em Abril, o festival mundialmente conhecido e o que deu origem a tudo isto "Ahlan wa Sahlam" em Junho, e o curso para profissionais em Dezembro. O Nile group organiza por ano quatro festivais: um em Fevereiro, outro em Maio, outro em Setembro e outro em Novembro. Ou seja, há sempre algum a decorrer, para quem deseja ir lá e beber da fonte basta escolher de acordo com seus objectivos e finanças.


Como o meu objectivo é mais do que aprender coreografias ou movimentos novos, é compreender e assimilar a alma desta dança, prefiro, embora caríssimo, o curso que acabei de fazer aos festivais mais mediáticos.


É a segunda vez que faço este curso: Curso Intensivo para Profissionais, da Raqia Hassan. Não é um curso perfeito mas bastante completo e como o nome indica bastante intensivo. Trata-se de três workshops com a duração de três hora cada, com três professores diferentes. Ou seja estamos a falar de nove horas de dança por dia, com três coreografias diferentes de mais de cinco minutos cada uma, durante dez dia seguidos... é dose!!! Infelizmente, é impossível fazer todo o curso. Chega a uma altura que nem tens físico nem cabeça para aprender mais nada. A minha estratégia foi escolher os professores que fazia questão de participar nos seus workshops, assim, não me cansava com os que estavam ali só mesmo para encher horário. Como já conhecia quase todos, pude desta vez, assimilar mais do que que a primeira vez que fiz o curso e não ter ficado esgotada.


Foi muito bom... adorei cada professor que escolhi e conhecer outros. Recomendo vivamente!!!! É muitíssimo importante para quem quer fazer uma carreira séria de Dança que conheça e experimente vários estilos, mas quando de apaixona por um desses estilos continue a aprender com os melhores nessa área, e isso muitas vezes significa fazer sacrifícios e ir á procura fora do nosso país. A recompensa pessoal é grande e gratificante, garanto...


Também tive uma sorte enorme nas colegas de "turma". Algumas delas já conhecia do curso passado e as que conheci eram extremamente simpáticas, não houve atritos típicos de mulheres, até era bastante divertido quando saíamos juntas... éramos de quase todas as nacionalidades e mantemos contacto através do facebook! O que mais gostei, ao falar com elas, foi saber como é a condição das bailarinas de Dança Oriental um pouco por todo o mundo e as suas próprias experiências. Ficávamos ao jantar horas a falar... É incrível o que descobri! Conto no próximo post...






Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun