Avançar para o conteúdo principal

O Tabu do Corpo Feminino - Parte II

Quando comecei a praticar Dança Oriental, "há quase um século atrás", deparei-me com dois preconceitos que o público em geral tinha (e muitos ainda têm) em relação à D.O:

1º - alguns movimentos (quase todos) eram encarados como muito sexuais;

2º - dançam muito despidas - barriga à mostra, de sutiã e uma saia...

Rápido percebi o escândalo que eram estas duas conjunções: dançar meio despida com movimentos considerados demasiado sensuais. Não podia ser... ou era um ou era outro... os dois juntos ainda por cima com uma música esquisita lá do oriente... OMG!... Escândalo Total!

Até hoje não entendo, a meu ver, qual é a obsessão que há pelo corpo feminino. Porque é que o corpo, ou partes dele, nu de uma mulher é motivo de julgamento? Será que uma mulher é mesmo livre de mostrar o seu corpo sem consequências? Não tenho respostas... só sinto que nesta questão ainda há muito para evoluir ou, talvez, respeitar. Vivemos com legados machistas fortes que teimam a ficar e pior, a serem perpetuados também por mulheres. O nu feminino ou é motivo de exaltação máxima da beleza humana ou o motivo do grande pecado e do mal do mundo. Uma mulher, quando mostra a sua pele, nunca é indiferente. Provoca sempre alguma coisa... 

Eu vou ser sincera, eu nunca me senti à vontade para me mostrar. Não por vergonha, mas porque acho que há intimidade minha que não é para ser mostrada em qualquer ocasião ou só porque sim. Sempre considerei esta dança como sagrada, que enaltece o sagrado feminino e o nosso corpo. E é aqui, um desses raros momentos, que não me importo de me mostrar. A minha pele. O meu corpo nu em movimento. Porque a dança assim o pede e faz sentido. Mas gosto de me resguardar. Mesmo a dançar. Para mim, tem de haver um equilíbrio para não deixar que o meu corpo fale mais alto que a minha dança. Mas isso sou eu. Que uso o corpo para dançar e não a dança para exibir o meu corpo. 

A Dança Oriental é especificamente, ao contrário de outras danças onde elas até estão mais "despidas", julgada como algo inferior ou até mesmo vulgar. Senti muito isso, principalmente quando comecei como bailarina profissional. Nesse início não entendia o porquê, mas com o passar os anos e depois de ter ido ao Egipto a primeira vez, é que percebi que o "problema" não estava na bailarina ou na indumentária e muito menos na dança em si, mas nas mentes de quem via. Entendi que o nu era (e é) algo ainda complicado de digerir para a maioria. E a Dança Oriental toca (ainda) no imaginário fantasioso de muita gente…

Acredito que a Dança Oriental através do Corpo Feminino veio nesta Era, dar mais significado ao o que é SER MULHER e não é por acaso que está espalhada por todo o mundo e a ser praticada por milhares de mulheres e... homens. Usemos os nossos corpos para exibir Arte e a nossa pele inspirar Dança. Talvez assim, o nu deixe de ser um tabu.






Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method * 25 ABRIL 2020 * 16h  * ON-LINE * Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO .  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental , indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA , e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio,  A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO:  TÉCNICO E SOCIAL   será o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos. Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo; * 1ª PARTE - TEÓRICA   - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos; 

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem. E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida. Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com.. . na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram. Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar.  Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo.  Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o un