Avançar para o conteúdo principal

A insegurança

Acho que, o meu pior inimigo é a insegurança. Odeio esta palavra, odeio ainda mais senti-la.
Sim. Sou insegura. Há que admiti-lo.
O chato da insegurança é que ela tem vários tentáculos. Um deles é o medo, outro é o pessimismo , outro falta de confiança, entre muitos...e, lidar com este bicho é lixado. Se o alimentarmos ele vai engordar de tal maneira que nos engole e aí... desacreditamos-nos.
Por uma outra perspectiva, o monstro tem outro lado. Um pouco de insegurança torna-nos humildes, lembra-nos que somos humanos, que falhamos, que caímos mas que nos podemos levantar e corrigir os erros. A insegurança também nos faz andar para a frente. Dá-nos coragem e atitude quando tudo e todos à volta nos tornam inseguros.
O curioso é que ela (insegurança) adapta-se e aparece com várias faces. Na face de um amigo, pai, mãe, irmão, namorado, professor... é mesmo lixada.
Como em tudo, onde está o equilíbrio? Como manter a fera bem alimentada mas não gorda demais? 
Será que a conseguimos controlar? Ou o controlo é pura ilusão?...
Para meditar.

Comentários

  1. A meu ver a insegurança não deve ser vista como um sinal negativo. Enquanto nos sentimos inseguros é sinal de que nos preocupamos, de que sabemos que não somos perfeitos e de que temos muito para melhorar. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun