Avançar para o conteúdo principal

Nuvem Negra

Sim, eu sei que já se falou muito, talvez demais sobre o assunto mas, há uma nuvem negra sobre Portugal que teima em não passar.
Esta nuvem, mais conhecida por desemprego já se está a tornar numa praga que afecta não uma, nem duas, mas dezenas de pessoas desde familiares directos, a amigos e conhecidos. 
Pior, o desemprego vem dando lugar aos empregos da corda bamba - agora tens, agora não tens, agora serves, agora não serves - sem nenhum vinculo, apoio ou protecção social.
Eu, como bailarina e professora de dança, sempre trabalhei a recibos verdes, os tais green one`s que bem poderiam ser blak de tão injustos e precários que são. Com eles só tenho deveres, não direitos.
Em doze anos nunca consegui um contrato de trabalho. Habituei-me a receber se trabalhar e, somente se trabalhar bem. Sempre produzi , por minha conta e risco, todos os meus espectáculos. Fiz muitos e muitos pro-bônus, fui enganada e aproveitaram-se do meu talento muitas e muitas vezes. 
Nunca tive um subsídio, nunca tive um apoio quando fiquei doente e muito menos ajuda quando, no auge da crise (se é que já passamos esse ponto) o trabalho reduziu drasticamente. Na prática e na vida real, quando não há estabilidade não há espaço para a dança, muito menos para a Dança Oriental que neste momento não está na moda.
E, como se já não bastasse tudo isto, ainda levo com a estigmatização e marginalização que a minha profissão acarreta. Se, um engenheiro por exemplo, não tem trabalho é porque está com azar, é da crise, etc, há uma compreensão social... mas se um bailarino não tem trabalho é porque é um desocupado. Afinal ser artista ou promover cultura como profissão, seja num palco ou a ensinar é para quem não quer fazer nada, ou - a que mais me irrita e revolta - é para ser a part-time ou um hobby. 
A mim, embora me doa e pior, me canse (cada vez mais), já estou habituada ao estigma, precariedade e luta. É o preço - ALTO - que pago para poder ser quem sou, com a liberdade que mereço. É injusto mas é a realidade. Para piorar e ainda a somar, a toda a hora tenho o conhecimento que alguém está ou ficou desempregado.
É que não é um, nem dois, são muitos. Lido com este flagelo, não há alguns meses mas há anos - demasiados anos -  quer sejam com familiares directos, amigos ou conhecidos que tem implicação profunda na minha vida. Afinal não vivo isolada e desengana-te se pensas que este mau tempo não te afecta: todos dependemos uns dos outros. Uma sociedade instável promove insegurança, ignorância, medo, desanimo, pessimismo, fragilidade. Já chega... já não se aguenta... está demasiado pesado.
Pergunto: quando é que esta nuvem negra passará?...
Com o circo que vejo na assembleia, não me parece que seja tão cedo. 
E, enquanto, aqueles senhores guerrilhão entre eles pelo "iron throne" numa versão ridícula e mal escrita do "Game of Thrones" há toda uma geração (aliás várias) que está a pagar caro toda essa triste produção.
Como é possível não terem vergonha na cara... 


PS: Saga Star Wars revista e MUITO apreciada... ansiosa, estou, pelo 7º episódio.
007 Spectre, uma desilusão. O agente mais famoso e intemporal do mundo pela interpretação do LINDO Daniel Craig deveria, na minha opinião, ter acabado no anterior Skyfall. Arriscaram um quarto episódio que não compensou.
Próximo: The Hunger Games, outra saga que precisa de ser revista antes de ver a última parte.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun