Avançar para o conteúdo principal

Lições de Vida e de Dança VI - Ser Mulher

Estou aqui eu sentada a beber o meu chai tea latte e observo (algo que faço compulsivamente) o pessoal à minha volta.
Mais que os homens - que são previsíveis e aborrecidos - é no mulherio que passa que o meu interesse cai. Observo os seus comportamentos, estéticas e fisionomias. Oiço-as a falar e sei no que pensam, afinal também eu sou mulher.
SER MULHER é interessante, estimulante e desafiador. É imprevisível.
SER MULHER é, provavelmente, a mais difícil tarefa que Deus deu. Eu adoro ter nascido fêmea mas odeio o trabalho em sê-lo. 
E, com isto, não me refiro à superficial - muitas vezes obsessiva - preocupação que temos na nossa estética e fisionomia. Não. Para mim, SER MULHER, é muito mais que suas roupas, acessórios e afins. O trabalho a que me refiro vai mais fundo, à derme da mulher, ao seu útero.
Dá sim, muito trabalho e uma personalidade de fibra SER genuinamente feminina.
A propósito deste tema, e já que estamos no mês dele, faz agora um pouco mais de um ano que realizei um espectáculo dedicado a nós. Nada melhor que a dança DA MULHER (assim se intitulava) para a mulher. 
Lembro-me desse show como se fosse hoje, o quanto difícil e salvador este foi para mim.
Quis que fosse uma sincera homenagem às lutadoras deste mundo pelo simples facto de serem o que são: mulheres mas, mal sabia eu (como é impressionante que quando nos colocamos nas mãos sábias de Deus / Universo ela guia-nos e sussurra-nos pelas vias mais primitivas, no meu caso a dança) que fui bailarina e espectador naquela noite. Foi de mim para mim. 
Enquanto dançava - totalmente de improviso inspirada por uma força divina - resgatava a minha alma de um abismo de onde a vida me empurrava. A dança (oriental of course) salvou-me de mim própria. Foi para mim, um espetaculo estranho mas transformador. Senti o poder de SER MULHER e como esta dança está intimamente entranhada em nós.
SER MULHER é possuir um instinto selvagem que assusta os homens. Raça esta que teima em nos denegrir e arranja todos os estratagemas para nos descredibilizar. Estranhamente (ou talvez não) procuram, na grande maioria das vezes, uma mãe e não uma MULHER, talvez para se sentirem seguros e eternizar a infantilidade...
SER MULHER requer coragem, determinação e segurança.
SER MULHER exige fibra, personalidade e ousadia em desafiar o certo, o politicamente correcto, o estipulado e esperado numa esposa.
SER MULHER é cansativo, porque saber que a beleza que exibe vai para além do seus sapatos, cor de cabelo e bâton mostra uma sabedoria de auto-conhecimento e uma profunda confiança.
SER MULHER é lixado... seria tão mais fácil ser mais uma... mais uma barbie desesperada por atenção masculina, mais uma complexada obcecada pelo exterior, mais uma depressiva que se destrói iludindo-se que é a super-mulher.
SER MULHER é SER,  é SENTIR e fazer questão de não esconder o que É.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun